Água Cristalina
Abílio Bezerra Monteiro Abílio Bezerra Monteiro Acervo da família Monteiro.

O olhar em preto e branco de Abílio Bezerra Monteiro

Escrito por  Terça, 03 Outubro 2017 14:09

Imagens em preto e branco, sobre a cidade de Aracati, deslocam a visualidade do povo aracatiense para um tempo em que era comum passear nas ruas, ainda sem pavimento, com roupas à francesa.

Antes, somente a família do memorialista Antônio Monteiro e de seu irmão, relojoeiro, Lino Monteiro possuíam essas imagens, posteriormente repassadas conscienciosamente para a coleção do Instituto do Museu Jaguaribano e da professora Aldeize Ponciano, respectivamente. O primeiro acervo era composto por centenas de negativos em vidro e acetato e algumas imagens em papel; o segundo por imagens reveladas em papel fotográfico. Essas imagens falam sobre o povo aracatiense, sua cultura, sociedade, política, religião. Imagens de gente importante, anônima e simples. Quem as fez capturou de seu tempo as práticas e os ritos eternizados no instante fotográfico. Quem as fez revelou-se detentor de um olhar antropológico cujas pistas nos ajudam a perceber nuances sutis do povo aracatiense. Quem as fez deu lugar ao contraste redentor de sua criação e sucumbiu no silêncio imanente da imagem.

 

Esse homem chamava-se Abílio Bezerra Monteiro. Por traz de sua lente, pouco luminosa, ele lançou luz sobre o passado. O enquadramento de sua fotografia é o recorte fiel, um documento por excelência de quase cinco décadas dedicadas ao ofício de fotógrafo autodidata. A crônica imagética de Abílio diz mais que esse texto reticente, porque está gravada no que queria mostrar: a imagem sensibilizada, capturada por um sujeito que diz mais sobre si, do que os diários que poderia ter escrito.

 

Procuro, entre os seus, algumas linhas que possam apresentar o Abílio criança, o jovem, o adulto que se formou. Da ironia de nossa falta de memória, chegam-me parcas letras. Elas dizem sobre seu nascimento em 17 de setembro de 1882; que se casou com Francisca Figueiredo Monteiro; que era católico e pertencia a Irmandade do Santíssimo; que foi procurador do município de Aracati; que foi escrivão da Coletoria Federal; que faleceu em 04 de setembro de 1960.

 

A obra que produziu diz mais que ausência de uma biografia. Curtimos a fotografia na rede social. A imagem está lá disponível, porque fora digitalizada. Cada “like” que depositamos nas postagens de Netinho Ponciano, um amante confesso da obra de Abílio, perfilamos a nós mesmos. No mesmo ângulo de visão dele, nos posicionamos e observamos atentos. Nem sempre seremos capazes de entender suas motivações, entretanto somos arrebatados por seu olhar. Em cada foto em preto e branco, é o olhar de Abílio Monteiro que vemos eternizado.

 

 

Serviço:

Para visualisar a obra de Abílio Monteiro acesse a página de Netinho Ponciano no facebook. Disponível em: https://www.facebook.com/netinho.ponciano.1/media_set?set=a.140722702773224.1073741829.100005064851337&type=3

 

Avalie este item
(0 votos)
Lido 234 vezes Última modificação em Terça, 03 Outubro 2017 14:26
Marciano Ponciano Virginio

Sou natural de Aracati-Ce, terra onde os bons ventos sopram. Na academia da vida constitui-me poeta, realizador de sonhos, encenador de máscaras. Na academia dos saberes acumulados titulei-me professor de Língua Portuguesa e especializei-me em Arte-Educação. O projeto de vida é semear a arte por onde passe: teatro, poesia, artes plásticas- frutos da experiência acumulada em anos dedicados a ser feliz. Quando me perguntam quem sou - ator, poeta, encenador, artista plástico, educador? Afirmo: - Sou poeta!

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Please add banners under category :EV

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
3
4
10
11
17
18
20
24
25
27
29
31