Estilo Lima

Sufraia

Escrito por  Sábado, 01 Março 2008 14:02

Sufraia fazia mais medo às pessoas com sua aparência de humano do que quando virava Lobisomem.

Na verdade, Sufraia era um Lobisomem na aparência: barbudo, nariz de focinho, orelhas cabeludas com tufos de cabelos saindo de dentro do ouvido, corcundo e torto em riba de umas pernas zambetas, longilíneo e desengonçado. Era mesmo muito feio o Sufraia.

 

Diferentemente de Quaresma, seu colega de transmutação que virava Porco. Sufraia se transformava num Bezerro preto. Sua área de operação como Lobisomem acontecia perto de onde ele morava, lá pras bandas da Maloca quase chegando aos Franceses.

Sopeira, que viajava muito a Cascavel para comprar criação, só chegava em casa bem perto da Meia-Noite. Tinha Sopeira um pequeno cercado que ficava vizinho ao Castelo, onde recolhia suas criações que vendia para o abate ali mesmo e noutros bairros da periferia da Cidade. Conhecia, portanto, todas as marmotas aprontadas por Sufraia quando virava Lobisomem.

Uma noite, quando Sopeira já se encontrava no cercado, separando umas cabras e ovelhas para entregar a um comprador que no começo da manhã  iria abater os animais para a venda da carne no Mercado Público, ficou de atenção redobrada com o barulho de uma correria e o latido constante de um cachorro que não parava de latir. Chegando à porteira do cercado, deu de frente com o homem que vinha comprar suas criações; ainda esbaforido com a carreira que deu, foi o homem relatando quase sem fala, que correu feito um desatinado, para se livrar do ataque do Bezerro preto que lhe encurralara num beco escuro e que, se não fora a valentia do seu cachorro vira-lata que não recuara diante do ataque, tinha sido ferido pelo Bezerro preto doido, que urrava e dava coice como se tivesse tomado pelo diabo...

- Num é Bezerro não o que tu viu não, homem. Aquilo é Sufraia, um Lobisomem. Ele vira esse Bezerro preto que tu viu nessas noites de lua cheia.

O Lobisomem Sufraia, surpreendido pela valentia do cachorro vira-lata chamado Tuninha, que, ao enfrentá-lo, deu-lhe uma forte mordida na perna, saiu em desespero à procura das bandas da Várzea Preta e foi se esconder no meio do denso carnaubal ali existente, para não ser descoberto naquela situação ainda na condição de Lobisomem Bezerro..

Naquele tempo na Várzea Preta deserta, não havia uma viva alma em toda a redondeza. O lugar mais próximo onde tinha uma pequena casa era o Bouqueval..

Sufraia, ferido na perna, amedrontado, sem noção do tempo, esperava que a reversão da transformação de Lobisomem lhe devolvesse a natureza de humano e pudesse então retornar para sua casa antes da Meia-Noite que era seu tempo limite de voltar a ser normal...

Acontece que, encoberto pelas palmas das carnaúbas, Sufraia não percebeu que ficou escondido tempo demais e não viu a Lua cambar para o Ocidente, pro outro lado do céu. Além do mais, também não escutou o galo que cantou lá no terreiro da casinha do Bouqueval, pois, segundo a tradição, o Lobisomem tinha que se desvirar de Lobisomem antes da Meia-Noite e antes de o galo cantar, senão virava Lobisomem para todo o Sempre...

Em desembestado galope a quatro patas, Sufraia buscava desesperadamente alcançar o caminho de casa. De repente, estancou e um fogo imenso e cortante tomou conta do seu corpo, deformando o torso daquele Lobisomem-Bezerro transformando-o numa figura híbrida de gente e animal. Ficou Sufraia com a cara de gente! E talhe de animal... Não era mais gente nem tampouco animal....

Para o resto de sua vida, Sufraia ficou vagando ao longe pelos currais e por monturos de lixo do Aracati à procura de comida. Todo mundo, quando via a figura de Sufraia que pouco se aproximava da cidade, corria de Medo e de Pavor... Enquanto isso, Sufraia, que nunca mais virou Lobisomem, não podia nem ouvir o latido d’um cachorro!!!!!!!

Avalie este item
(0 votos)
Lido 646 vezes Última modificação em Sexta, 03 Janeiro 2014 21:16
Antero Pereira Filho

ANTERO PEREIRA FILHO, nascido no Aracati em 30 de novembro de 1946, foi o terceiro filho do casal Antero Pereira da Silva e Maria Bezerra da Silva. Viveu sua infância em Icapui onde foi alfabetizado pela professora Dona Preta. Em 1957, ingressou no Grupo Escolar Barão de Aracati. Em 1974, casou-se com Maria do Carmo Praça Pereira e deste matrimônio nasceram os filhos Janaina Praça Pereira, Armando Pinto Praça Neto e Juliana Praça Pereira.

 

Em 1976 graduou-se em Ciências Econômicas pela URRN-RN. Atuou à frente do Instituto do Museu Jaguaribano como presidente, função que exerceu em duas diretorias (1976 1979/1982-1985). Foi secretário na gestão do prefeito Abelardo Gurgel Costa Lima Filho (1992-1996) período em que assumiu a pasta da Secretaria de Indústria, Comércio, Turismo e Cultura.

 

A história e a memória da cidade e do povo aracatiense constituem objetos de seus estudos amplamente divulgados em crônicas e artigos publicados na imprensa local em que colabora desde 1975. Em 2005 a crônica "O Amor do Palhaço", de sua autoria, foi adaptada para o cinema em um curta metragem (15") homônimo com direção de Armando Praça Neto,

 

Obra

Assim me Contaram. (1ª Edição 1996 e 2ª Edição 2015)

Histórias de Assombração do Aracati. Publicação do autor. (1ª Edição 2006 e 2ª Edição 2016)

Ponte Presidente Juscelino Kubitschek. (2009) 

A Maçonaria em Aracati (1920-1949). (2010)

Fatos e Acontecimentos Marcantes da História do Aracati. (Inédito)

Aracati era assim (Inédito)

Notícias do Povo Aracatiense (Inédito)

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
11
12
18
19
20
21
22
26
27
28
29
30