Água Cristalina
Divulgação Divulgação

Cravos e Santas

Escrito por  Sábado, 25 Abril 2015 09:49

Mergulhar na leitura de Cravos e Santas é retornar ao Aracati do passado e também ao Aracati de um presente ainda recente, onde nossas igrejas, ruas, costumes e hábitos e religiosidade se entrelaçam numa história de amor, mistério, suspense e política ocorrida na antiga e romântica cidade de Lisboa.

 

Valdy Menezes com sua fértil imaginação de ficcionista e historiador nos conduz com maestria a seguir cada parágrafo, cada página, num ansioso suspense, que se torna impossível largar o livro Cravos e Santas, quando se começa a ler.

Quando da chegada ao Aracati do casal protagonista dessa história, Valdy Menezes retrata uma cidade devastada pela grande enchente de 1974 mostrando as tristezas e as mazelas deixadas por essa tragédia.


Faz-nos recordar figuras que foram marcantes no cotidiano de nossa cidade quando dá vida ao velho jornalista Monteiro e ao seu programa cultural na rádio local, e à hoteleira Anésia revivendo sua maneira de receber seus hóspedes nas parcas acomodações do seu pequeno hotel.


A descrição das nossas igrejas narradas pelo autor, assim como também dos seus zeladores, é uma aula de história sobre nossos templos e suas particularidades, que poucos na verdade conhecem e são agora reveladas em Cravos e Santas.


A descrição do enterro do anjinho pela rezadeira Maria Carteira é uma peça que se destaca como o momento primoroso de toda narrativa. Digna de se compor como uma oração.


O segredo extremamente bem guardado da Irmandade do Santíssimo Sacramento é o fio condutor de toda a trama e do enredo desse livro que prende o leitor da primeira à última página.


Confesso que fiquei deveras entusiasmado e surpreso com a capacidade do estreante escritor Valdy Menezes, em engendrar uma teia tão bem urdida e traçada levando o leitor a desejar que a história tenha uma continuação quando se acaba de ler o livro. Deixando aquela vontade de querer saborear mais dessa narrativa que nos faz viajar ao passado, mas que também nos traz o presente.


Aconselho a começarem a ler o livro num horário em que não possam parar, pois nos arrebata de curiosidade e desejo de conhecer o seu final tão envolvente de Cravos e Santas em seu entrecho, seus mistérios e suspenses pelos lugares turísticos e românticos de Lisboa enlaçados pelas ruas e igrejas de Aracati num romance amoroso e misterioso banhado pelas cálidas águas do Rio Jaguaribe e iluminado pela luz da lua e das estrelas de Canoa Quebrada.


Antero Pereira
Historiador e Escritor

 

Serviço

Cravos e Santas

Lançamento 25 de abril de 2015
Jardim do Museu Jaguaribano
Centro Histórico de Aracati, às 20h.

 

Avalie este item
(3 votos)
Lido 585 vezes Última modificação em Sábado, 25 Abril 2015 10:43
Antero Pereira Filho

ANTERO PEREIRA FILHO, nascido no Aracati em 30 de novembro de 1946, foi o terceiro filho do casal Antero Pereira da Silva e Maria Bezerra da Silva. Viveu sua infância em Icapui onde foi alfabetizado pela professora Dona Preta. Em 1957, ingressou no Grupo Escolar Barão de Aracati. Em 1974, casou-se com Maria do Carmo Praça Pereira e deste matrimônio nasceram os filhos Janaina Praça Pereira, Armando Pinto Praça Neto e Juliana Praça Pereira.

 

Em 1976 graduou-se em Ciências Econômicas pela URRN-RN. Atuou à frente do Instituto do Museu Jaguaribano como presidente, função que exerceu em duas diretorias (1976 1979/1982-1985). Foi secretário na gestão do prefeito Abelardo Gurgel Costa Lima Filho (1992-1996) período em que assumiu a pasta da Secretaria de Indústria, Comércio, Turismo e Cultura.

 

A história e a memória da cidade e do povo aracatiense constituem objetos de seus estudos amplamente divulgados em crônicas e artigos publicados na imprensa local em que colabora desde 1975. Em 2005 a crônica "O Amor do Palhaço", de sua autoria, foi adaptada para o cinema em um curta metragem (15") homônimo com direção de Armando Praça Neto,

 

Obra

Assim me Contaram. (1ª Edição 1996 e 2ª Edição 2015)

Histórias de Assombração do Aracati. Publicação do autor. (1ª Edição 2006 e 2ª Edição 2016)

Ponte Presidente Juscelino Kubitschek. (2009) 

A Maçonaria em Aracati (1920-1949). (2010)

Fatos e Acontecimentos Marcantes da História do Aracati. (Inédito)

Aracati era assim (Inédito)

Notícias do Povo Aracatiense (Inédito)

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
3
4
10
11
17
18
20
24
25
27
29
31