Exposição de Artes Visuais revela a produção...
Há mais de três décadas realiza-se em Aracati-CE o salão de artes visuais denominado “Exposição dos Artistas... Leia mais
O olhar em preto e branco de Abílio Bezerra...
Imagens em preto e branco, sobre a cidade de Aracati, deslocam a visualidade do povo aracatiense para um tempo em que... Leia mais
ARACATI| Nações indígenas
Dentre as nações indígenas que moraram por muito tempo no território chamado Aracati, estão os baiacus, potiguares,... Leia mais
ARACATI | A presença africana
Além dos indígenas, povos africanos foram utilizados como mão de obra na economia colonial. O tráfico de africanos era... Leia mais
1923 — AVIÃO CAI NO ARACATI
Apesar de haver perdido a Primeira Guerra Mundial há pouco mais de quatro anos, a Alemanha despontava como uma das... Leia mais
ARACATI | HERMA A PE. SÁ LEITÃO
Antônio Saboia de Sá Leitão nasceu em Aracati a 21 de setembro de 1842. Foi padre e bacharel. Foi fundador, no... Leia mais
prev
next
Marciano Ponciano Virginio

Marciano Ponciano Virginio

Sou natural de Aracati-Ce, terra onde os bons ventos sopram. Na academia da vida constitui-me poeta, realizador de sonhos, encenador de máscaras. Na academia dos saberes acumulados titulei-me professor de Língua Portuguesa e especializei-me em Arte-Educação. O projeto de vida é semear a arte por onde passe: teatro, poesia, artes plásticas- frutos da experiência acumulada em anos dedicados a ser feliz. Quando me perguntam quem sou - ator, poeta, encenador, artista plástico, educador? Afirmo: - Sou poeta!

Qual o papel do retrato no século XXI? Partindo dessa indagação o artista plástico Edson Virginio organiza sua mais nova sequência de trabalhos em pintura sobre tela, na qual o retrato torna-se evidente. Com isto busca potencializar o retrato no século XXI e, dessa maneira, a partir de uma estética que compreende a imagem como forma hibrida a ganhar novos usos, suportes, sentidos e significados. A história da arte registra a importância do retrato em diversas épocas e movimentos artísticos e isto evidencia uma força mutante capaz de ultrapassar o tempo.

O ano de 2013 configurou-se como um marco para o projeto de requalificação do Cineteatro Francisca Clotilde, em Aracati-CE. O projeto, segundo Ramiro Teles, superintendente do IPHAN no Ceará será contemplado prioritariamente com recursos federais oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento-PAC. Às vésperas do dia mundial do teatro (27) o Cineteatro Francisca Clotilde, encontra-se com suas cortinas fechadas fato que tem aquecido a discussão entre artistas, jovens e sociedade aracatiense. Organizamos a entrevista a seguir com o intuito de responder muitas indagações surgidas em redes sociais e em rodas de conversas entre os grupos de artistas de Aracati. Fizemos o convite a Ramiro Teles para se pronunciar sobre o assunto cedendo-nos uma entrevista. Nela conversamos sobre patrimônio histórico, preservação, educação patrimonial e revitalização do centro histórico de Aracati. Confira:

Dezessete anos expandindo a alegria para além da festa de momo. Mesmo quando a quarta-feira de cinzas parece arrefecer os ânimos de quem brincou o carnaval, a alegria toma conta da Praça Dom Luiz para anunciar que o último grito de folia é dos Loucos da Praça.

Marés- 1° Movimento

Quarta, 19 Fevereiro 2014 11:34

Há silêncios...

Por uma centelha, a essência desta cidade fumega entre paredes de salitre e resistência. Lá, por entre as paredes que se vão erguendo imponentes, o que guardar? Ar rarefeito, podridão.
Um poeta falou... onde?

As avós são anjos caídos do céu

Segunda, 27 Janeiro 2014 17:38

As avós são anjos caídos do céu

 

 

Minha avó sentava num banco de madeira localizado em frente à casa, debaixo do alpendre. No banco marcado por centenas de golpes de facão, acumulados ao longo dos anos, por ser ali a melhor altura para abrir coco e servir às visitas. Eu, certamente motivei algumas dezenas desses golpes a fim de beber a água doce que brotava dos coqueiros gigantes plantados por minha avó.

A cabeça de Monsenhor Bruno

Quarta, 25 Dezembro 2013 14:23

Qual o espaço para a memória da cidade de Aracati frente o descaso e completa falta de conhecimento de sua história? A frase fácil na boca de qualquer aracatiense: “Aracati, terra de Jacques Klein, Paula Nei, Adolfo Caminha”. De tanto ouvir todos sabemos sobre estes ilustres anônimos. Ilustres porque foram personalidades que se destacaram em um dado momento da história de nosso país e por isso a nossa sociedade em um dado momento resolveu acolhe-los como exemplos valiosos para a nossa história. Anônimos porque sabemos pouco sobre eles. O insuficiente para travar com estes os mais horrendos atentados à memória daqueles. Incluo a esta lista só para citar como exemplo o ilustre memorável Bruno Rodrigues da Silva Figueiredo- Monsenhor Bruno. O mês de outubro dedicado a celebrar a emancipação política de nossa cidade também foi um mês dedicado a feitos danosos à memória deste importante filólogo, latinista e clérigo aracatiense.

Francisca Clotilde em Cena

Domingo, 15 Janeiro 2012 14:33


Desde sua criação em 1990 o Grupo Lua Cheia de Teatro faz reverberar, em sua cena, a literatura aracatiense. Foi assim com a criação de Poetossíntese - publicação literária fundada àquele ano. Não caberá neste pequeno espaço o registro das várias incursões do grupo ao universo das letras. Todavia se faz necessário destacar alguns dos trabalhos que bem representam esta alegativa.

A matéria publicada no dia 27 de janeiro de 2007, no caderno Ceará, do Jornal O Povo sob a manchete “Aracati aposta em festa no ritmo do forró” demonstra, a meu ver, o alto grau de insensibilidade e falta de visão daqueles que organizam o carnaval de Aracati.

Uma casa dedicada à leitura

Sábado, 28 Maio 2011 14:07

Casa. Assim define o dicionário Houaiss: lugar destinado a encontros, a reuniões ou à moradia de certas categorias de pessoas, cujos interesses, origens e cultura por vezes representa ou expressa. Pensemos então em casa com o significado de reunir pessoas, cultura e expressões através da leitura. Isto seria possível?

"De quantas saudades é feito o homem? De tantas quanto a vista captura. De tantas quanto o desejo morde. De tantas quanto a dúvida decifra. De tantas quanto o calendário rebenta. De tantas quanto a dor soçobra. De tantas quanto a escrita exibe. De que saudade é mesmo feito o homem?" (Saudade: Um rio que corre na retina do tempo. R. Leontino Filho in Coisas Velhas Saídas da Beira do Túmulo)

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
4
5

Comentários