Comentário do relatório

Descobri Holdemar Menezes na década de 70, em Belo Horizonte, através do livro A COLEIRA DE PEGGY. impressionou-me imediatamente a desenvoltura e a naturaldade de seu texto. Imediatamente adquiri seis exemplares que foram parar nas mãos de Wander Piroli, Oswaldo França Jr,, Manoel Lobato, Paschoal Motta, Henry Corrêa de Araújo e Maria Lúcia Camelo. Entusiasmado comprei mais alguns exemplares e dei de presente a outros escritores amigos meus.Eu me transformei, a partir daí, num divulgador do Holdemar Menezes que veio a ser meu amigo. Trocávamos correspondência e falávamos ao telefone.
Ele ficou de vir a Belo Horizonte para segundo prometera, fazer o parto de meu primeiro filho, que nasceu em novembro de 1978. Tenho saudades do amigo e do escritor, atualíssimos até hoje. Seus contos continuam presentes na conversa em família e com os amigos mais chegados. Esse escritor impressionante, inesquecível, é um de nossos maiores. Sem dúvida, encontra-se eternizado! Reedição de suas obras é um imperativo. E, quem sabe? Por que não? Um volume de suas Obras Completas?